Paixão Não Tem Hora


31/03/2009


View image detailEle voltou a usar o estacionamento, e eu voltei a passar por lá na hora do almoço, primeiro observando sem ser vista...13:45, este foi o horário dele nos dias em que estive observando. Hoje me armei de coragem , gravei outro CD legalzinho e fui determinada a encontrá-lo e entregar o presente pessoalmente. Cheguei cedo demais, 13:30...quinze minutos podem ser incontáveis quando se está ansioso, o coração disparado, as mãos suadas, meu carro ali cara a cara com o dele, encarei auqla máquina como se ela pudesse me ver ali parada...esperando, pensando freneticamente em como suportaria aqueles quinze minutos... "ispire tranquilidade, expire tensão"... desci do carro e andei em slow motion para as escadas, ele poderia estar chegando ... inspire.... o pulso mais tranquilo enquanto me mexia, parei em frente a escada, ele poderia estar descendo ... expire ... é cedo demais, vou comprar um presentinho para o bebe da amiga? não vai dar tempo ... pulso acelerado, suor frio ... controle-se, inspire ... pensamentos positivos, tudo vai dar certo, voce tem chances ... expire, inspire, relaxe... parada em frente a escada rolante, tremendo, o que as pessoas pensam? fobia? ... voce tem chances, voce tem... que barulho horrivel! é meu coração, calma, calma... subo, desço, subo e desço, fazendo hora... ele está ficando atrasado... inspire... o guarda está me observando, vem em minha direção, como se sente um homem bomba? sorrio, o guarda está curioso, ái que barulho é esse? celular....minha nossa o marido! alô! ...o presente da amiga que ganhou nene, o álibe (Fernanda escreve o livro!!!)... ele atrasou, dormiu no sofá?... agora preciso comprar o presente sem falta, correndo para cima, comprando presente, voando...inspire, relaxe... merda, quem relaxa correndo em cima desses saltos? será que ele já foi neste minuto? o carro está ali! ufa! ... inspire... a escova essa hora já escorreu no suor! expire... telefone??? saco, me deixe em paz! Já estou indo bem... ele não veio a tempo... frustração, alívio, suor, tremor... não inspire coisa nenhuma, ficou pra outro dia...

MAS, deixei um bilhetiho em post it* no vidro do carro:

"que pena que não te encontrei, queria entregar um CD que gravei pra voce. bj. Alicinha"

E veja o detalhe, eu assinei!!!!

Escrito por Alice às 17h18
[ ] [ ]

05/03/2009


View image detail

aaahhhh...que agonia, agora parece que são "sinais" de que devo mesmo esquecer o Bruno! Primeiro ele deixou de usar o estacionamento e agora que acabei de descobrir uma possibilidade de encontra-lo no supermercado adivinhem? AQUELE SUPERMERCADO FECHOU!!!! Eu não acreditei quando soube. Enfim, está cada vez mais rara a oportunidade de encontrá-lo, terei que contar apenas com o acaso.

E eu já tinha gravado um novo CD para entregar pessoalmente desta vez...

Escrito por Alice às 11h05
[ ] [ ]

11/02/2009


View image detail

Desde o último encontro em dezembro, vim sobrevivendo do 'filminho' da Fer, que 'uso' muito parcimoniosamente, como se pudesse economiza-lo...um último recurso para as horas de maior desespero. Claro que o vi de relance, duas vezes, uma entrando no carro em frente sua casa e outra saindo de um supermercado...ele é um homem metódico...'anotei' a hora e dia e esperei uma oportunidade...

Após várias semanas, me preparei com desculpa certa e com certa antecedência (melhor fazer hora esperando por ele que perdê-lo por poucos minutos!). Então veio o balde de água fria: o marido quis ir junto ao supermercado! Sendo assim, propuz outro mais adiante para não encontrá-lo num 'triângulo', muito desconfortável. Passamos por seu carro estacionado na locadora de vídeo...ele estava por perto, provavelmente já a caminho do supermercado.

Então, após nossas compras no 'supermercado errado', quando já tinha me dado por vencida, veio a oportunidade: de volta pra casa o marido pede para parar em frente ao supermercado onde estava Bruno para ir a casa lotérica em frente! Rapidamente lembrei-me de um item que não encontramos no supermercado anterior e entrei triunfante procurando por ele pelos corredores e ao vê-lo fui direto a ele, abraceio-o e disse-lhe que sentia muitas saudades. Eu disse, dá pra acreditar? eu disse isso...e vocês pensam que adiantou alguma coisa? nada, acho que o novo codinome para ele será "homem de ferro", ou posso pensar que sou realmente desprezível... ele foi simpático, claro, sorrindo o tempo todo, mas só falou de filhos, animado com o final das férias.

Bom, por outro lado, ele primeiro perguntou: e aí? como está? e os meninos? (pelo menos não perguntou do marido, como costumava) e eu falei que estava na correria de volta as aulas...sei lá, é claro que se ele tivesse algum interesse seria diferente...despedimos...encontrei o marido logo na porta, o Bruno já estava saindo, fingi que não o vi e acho que ele fez o mesmo...

Escrito por Alice às 08h50
[ ] [ ]

11/12/2008


View image detail

"Há três coisas na vida que nunca voltam atrás:

a flecha lançada, a palavra pronunciada

e a oportunidade perdida".

(Provérbio Chinês)

Após o último post em junho, o marido e eu fizemos uma viagem de sonhos por uma terra dourada de sol e flores e nesse clima romântico me esforcei ao máximo para recuperar a velha 'magia' entre nós e para por um fim definitivo neste surto de loucura e delírios que o Bruno havia me causado nos últimos dois anos (tempo demais, fala a verdade?). Funcionou, ao menos temporariamente, voltei decidida a não pensar mais nessa paixão impossível, aproveitar meu casamento, bastante razoável para os padrões, e tocar minha vidinha... Abandonei os 'plantões', cancelei meus retornos e mudei de dentista (mulher, agora, claro!).

 

 Dois meses se passaram e a saudade começou a apertar, as lembranças de tão pequenos e aparentemente tão insignificantes encontros, mas que para mim eram tão plenos de emoções indescritíveis... o que eu tinha para me lembrar? Sensações etéreas em sua maioria, o cheiro, a voz...

Eis que um belo dia dirigindo pela cidade o vejo cruzar a rua, e três dias depois o vejo na fila de uma casa lotérica quando passo novamente dirigindo. Encontros unilaterais, apenas eu o vi, rapidamente em trânsito, mas mesmo este pouco estímulo foi suficiente para deflagrar o rompimento da barragem que, a duras penas, mantinha represado meu desejo por aquele homem que teima em cruzar meu caminho quando queria poder dizer que não o veria nunca mais!

Como numa recaída de qualquer vício a  ânsia por minha droga tornou-se ainda mais feroz, voltei para os 'plantões' de forma arriscada e temerária, apenas para descobrir que ele não guarda mais o carro naquele estacionamento e o desespero tomou conta de mim. Caí ruidosamente numa tristeza e anedonia preocupantes. Que vontade de dizer a ele como sentia saudades...

Mais três dias e, fazendo supermecado com os filhos, ao cruzar um corredor nos encontramos (ele também com filho a tira colo). Que sensação indefinível, me percebi magoada com ele, que como sempre foi muito simpático, e puxou conversa fiada e sorriu e deu beijinho. A Fernanda perguntou: "não pareceu super feliz em te ver?", Ah, Fer...como eu queria dizer que sim, como eu queria ver nele algum brilho no olhar ao me ver, alguma frase de duplo sentido, algum toque inesperado... As palavras : "que saudades de você..." me vieram a mente, mas não saltaram na boca. Afundei-me ainda mais numa tristeza sem lágrimas, sem futuro, sem ar.

Então percebi que nenhuma coisa me tiraria da desesperança completa que não a esperança, a luta, a vontade de encontrá-lo. A tristeza permanece, as dificuldades aumentaram (sem o estacionamento!) e minha dificuldade de me expressar diante dele é intransponível! Encontrei-o no shopping ontem a tarde (pra variar eu com meus pimpolhos!), ele me abraçou quando me viu, a fala agitada de sempre, abraçou-me para despedir-se e disse que não me desejaria feliz natal por ter certeza que nos veríamos novamente, eu lhe disse que viajarei e então ele voltou para o abraço de natal, demorado... Novamente a frase: "que saudades de você...",mas nada da boca mover-se, os neurônios se desconectaram em algum ponto deixando minha cabeça e meu corpo apartados e incomunicáveis.Mas, ao menos, desta vez foram três abraços para rechear minhas lembranças e suspiros até o proximo ano e os 'próximos capítulos'!

Escrito por Alice às 14h56
[ ] [ ]

23/06/2008


Carlos Drummond de Andrade

View image detail 

O amor não nos explica. E nada basta,

nada é de natureza assim tão casta 

que não macule ou perca sua essência

ao contato furioso da existência.

Nem existir é mais que um exercício

de pesquisar da vida um vago indício,

a provar a nós mesmos que, vivendo,

estamos para doer, estamos doendo.

Mas na dourada praça do Rosário,

foi-se, no som, a sombra. O columbário

já cinza se concentra, pó de tumbas,

já se permite azul, risco de pombas 

Escrito por Alice às 17h53
[ ] [ ]

18/06/2008


View image detail

Como entender o encontro de hoje...as vezes me sinto tão paralizada diante dele e tão "derrotada" por minhas angústias, e hoje definitivamente foi um desses dias. Quando a secretária me chamou ele veio a porta para dar a ela uma orientação qualquer e então eu tentei passar pela porta aberta do consultório, passando por ele direto e, para minha surpreza, ele me segurou para me dar um beijinho de oi! Lógico que depois disso eu não era mais ninguém...entrei muda e saí calada! E pensar que tinha tantas coisas para dizer...

A boa notícia é que tem retorno na semana que vem. Segura minha cabeça "viajandona" senhor, mas é inevitável pra mim pensar que: do mesmo modo como eu estou inventando dores de dente, ele também parece estar inventando tratamento para elas!!!

 

Escrito por Alice às 15h48
[ ] [ ]

200566005-027

 

Ontem li uma frase, não lembro o autor, que me fez ficar pensando um bocado de tempo...

"A melhor maneira de prever o futuro é criá-lo"

Taí, não se pode negar a veracidade do pensamento, mas e quanto a viabilidade? Será factível? E quando seu futuro envolve um terceiro, que eu colocaria em primeiro se ele permitisse, mas enfim...o meu futuro almejado não é de minha exclusiva criação!!! Aahhh, já sei...deixa pra lá. Vou me concentrar no futuro imediato: consulta hoje as 13:30hs!!! Seja o que Deus quiser, porque se for como eu queria nem o diabo iria achar bonito!

Escrito por Alice às 10h01
[ ] [ ]

17/06/2008


View image detail

Gente, ontem fiz algo que nem eu mesma entendi! Eu fugi do Bruno!!! Fui para o "plantão", e percebi que cheguei tarde, o carro dele já estava estacionado. Parei assim mesmo e corri até a banca de jornal porque sei que as segundas feiras ele passa por lá antes de entrar para almoçar...e deu certo, lá estava ele na banca, mas ao invés de entrar como fiz outro dia, parei na porta, dei um tempinho, virei no pé e FUI EMBORA! Será medo? Acho que fiquei com vergonha!!! Tenho sempre a sensação de que ele sabe o que eu sinto, e que sabe que arranjo as coisas para encontra-lo ali intencionalmente...

Que situação ridícula a minha...

Agora relendo tudo que escrevi neste blog, percebi que não andei nem um único passo nesta história toda. O tempo vai passando e tudo continua igual: eu sofro igual, eu tenho medo igual, eu não sei nada igual...que desanimador....

Escrito por Alice às 14h01
[ ] [ ]

12/06/2008


View image detail

Ái, aquela zica já passou...todo mundo tem seus dias ruins! E hoje tem retorno no dentista!!!Então eu não poderia estar triste, e nem com esse cabelinho amassado que acordou comigo hoje, assim que possível vou fazer uma escovinha básica para levantar o astral (mais ainda???), já coloquei um vestidinho novo, já ouvi minhas músicas favoritas e claro, já estou aqui neste blog que é meu único confidente...

E por incrível que pareça estou com dor de dente, mesmo, sabe aquela que "ficamos observando"? Será que estou somatizando dor de dente? Será possível que a sorte me sorriu com legítima dor de dente? Sendo a fonte de todas as minhas angústias o cirurgião dentista acho que nunca saberei a verdade sobre estas questões...resta-me aproveitar a deixa, sorrir e não perder a consulta!

Escrito por Alice às 11h20
[ ] [ ]

10/06/2008


View image detailMe virar

 espernear

 mandar voar a saudade

 a vontade praquele lugar outro lugar 

Restou o lugar apertado

 o mesmo velho lugar

a solidão de  volta ao silencio

Levantar e cair

e cair e arrastar

 lutar e voltar atrás.

A voz grita

 dorme e acorda comigo

 a voz me enlouquece

e eu não grito

Ái, voz que não me deixa mais

nem ao menos nesses lugares que não existem.

O túmulo escuro é o leito de sonho

quando o sonho podia ter sido um outro sonho.

Que outro? Outro som, outro ano, outro dia...

Carros, luzes, janelas, bons dias,

planetas que passam

e giram em outro lugar

 tudo está indo pra outro lugar

 sonho que

alguem me encontra lá.

Escrito por Alice às 16h37
[ ] [ ]

27/05/2008


repetindo o erro...

View image detail

aaahhhh, bem que eu me esforcei para esquecer o Bruno! Mas pelo menos ultimamente andei bem mais pé no chão...não tenho expectativas e falsas esperanças, aproveito o pouquinho irrisório que posso ter dele (um retorno mensal e, quando a sorte ajuda, alguns encontros nada casuais no´meu plantão´).

Aliás, essa noite tive um pesadelo horrível: o Bruno me dava alta!!! É que já ando me preocupando com isso...até quando será necessária essa manutenção mensal de uma placa miorelaxante??? Já tentei uma nova "dor de dente" mas ele disse que não tem nada de errado e precisamos apenas "observar". O frio que me dá quando penso que não poderei ter problemas odontológicos pra sempre me faz ver que preciso de novas estratégias!

Bom, mas eu voltei aqui porque depois da última vez que o vi perdi o sono e o sossêgo novamente. Foi num dos 'plantões', naqueles dias que me dão uma certeza inexorável de que irei vê-lo e pumba: lá estava ele na banca de jornal, precisei parar na porta antes de entrar para recuperar o fôlego e me recuperar da tremedeira e taquicardia...vi que não conseguiria...tinha um tambor no meu peito. Entrei assim mesmo antes que perdesse a oportunidade. Ele estava de costas no balcão, passei por ele passando as mãos nas costas dele ao cumprimentá-lo (uau, to ficando ousada!) e fui para o fundo fingir que procurava uma revista. Ele estava de papo com o vendedor e lá continuou, peguei uma cruzadinha e um gibi e fui para a fila do caixa, ele veio até mim e PEGOU A MINHA MÃO!! Foi falando coisas tolas (como estão lá em casa? e os meninos? blá, blá...) e se afastando para sair, levando minha mão na dele...mãos macias as dele...mãos tão frias e trêmulas as minhas...não consegui retribuir a pressão de sua mão, a minha mão continuou inerte e assustada como eu.

E então ficou mais difícil não sonhar...

Same Mistake

(James Blunt) 

 So while I'm turning in my sheets
And once again, I cannot sleep
Walk out the door and up the street
Look at the stars beneath my feet
Remember rights that I did wrong
So here I go

Hello, hello

There is no place I cannot go
My mind is muddy but
My heart is heavy, does it show
I lose the track that loses me
So here I go

And so I sent some men to fight,
And one came back at dead of night,
Said "Have you seen my enemy?"
Said "he looked just like me"
So I set out to cut myself
And here I go

I'm not calling for a second chance,
I'm screaming at the top of my voice,
Give me reason, but don't give me choice,
Cos I'll just make the same mistake again,

Escrito por Alice às 09h08
[ ] [ ]

31/03/2008


View image detail

Nós pessoas somos engraçadas, a gente vê o que quer ver, ignorando os fatos, arrumando desculpas para nós mesmos...mas, lá no fundo a gente sempre sabe a verdade.

Os sonhos muitas vezes vêem fazer o papel de "revelar" para nosso consciênte algumas coisas que estamos tentando esconder de nós mesmos. Pois é, hoje sonhei com um desses "recadinhos" do meu inconsciente..."eu chorava muito ao admitir para uma amiga que não só não havia evidência do interesse do Bruno por mim, mas que por mais que eu tentasse negar, havia sim evidências de seu desinteresse por mim"!

Não vou entrar em detalhes humilhantes e constrangedores, afinal, eu nunca os confecei a mim mesma! Mas, é preciso enfrentar a realidade que o sonho esfregou sem dó na minha cara, e ficar na minha.

Hoje fui vê-lo, conversamos (sobre trabalho e rotina, apenas) bastante após a consulta, gentilezas a parte...o sonho que tive hoje parece ser o único com chances de tornar-se realidade de fato.

Bom, então já comecei a me auto consolar..."pelo menos não vou mais correr o risco de fazer loucuras"; "minha vida está melhor sem mudanças radicais", e blá, blá, blá, buá, buá, buá...

 

“...Era enfim a vida real, com meu coração a salvo,

e condenado a morrer de bom amor na agonia feliz

de qualquer dia depois dos meus cem anos.” (G. G. Márquez)

 

 

Escrito por Alice às 11h11
[ ] [ ]

17/03/2008


View image detail

Ufa! Seguindo meus planos de deixar de ser "refém de marido", eu tenho trabalhado loucamente, iniciei um cargo público, acumulado aos meu(s) trabalho(s) anteriore(s)!!! Claro que não tive mais tempo de escrever no blog, nem fazer meus "plantões", etc.

Bom, dizem que "cabeça ocupada não pensa besteria", logo, o Bruno não é uma besteira por que não deixei de pensar nele um só dia. (Gostaram do silogismo?). Até sonhei com ele esta noite...ah, como é bom sonhar, né? Dá pra crer que é de graça?

Sonhei que ele me mostrava um novo consultório e me servia uma taça de vinho para comemorar (não sei o que, tá? não importa...), e mais: me chamava de "meu bem", que delícia! Que droga, por que ter que acordar?

Escrito por Alice às 08h15
[ ] [ ]

01/03/2008


Que Coragem!

Finalmente, depois de mais de um ano de paixão e análise, eu criei uma coragem que não sei de onde tirei e convidei o Bruno pra um café! Infelizmente, levei um fóra...puxa, nem que fosse ao menos para recompensar essa atitude inovadora eu merecia um pouco mais de sorte!

Eu esperei uns 40' no meu "plantão", antes do almoço, e ele não chegava. Precisei deixar o posto porque o marido já estava me procurando bravo com meu atraso.

Voltei depois do almoço e desta vez consegui uma vaga ao lado do carro dele e esperei mais outros 40'. Quando eu já não aguentava mais a adrenalina comendo meu estômago e tanto tempo gasto atôa eu desci do carro para pagar o ticket e ir embora...aí então ele vinha subindo...

Quando nos cruzamos, trocamos um beijinho e eu então perguntei se ele não tinha um tempo para um cafézinho. Meses de preparo para dizer poucas palavras em poucos segundos e ele nem parou para ouvi-las...continuando a andar ele disse estar correndo para ir dar aula.

Eu fiquei tão chocada com minha iniciativa que não entendia porque estava tão triste, chorei, mas só percebi porque estava triste quando a Maria Fernanda usou os termos: "te deu um fora"! É isso então, o Bruno me deu um fora. Eu deveria desistir agora, não seria o mais lógico e sensato a fazer? Mas, apaixonados não são lógicos e menos ainda sensatos...

Ter tido essa coragem inicial só serviu para abrir o precedente de avançar ainda mais, quando se enfrenta um medo ele perde a força e tudo vai se tornando mais fácil.

Vou fazer de conta que ele nem gosta de café (bom, dentista não toma café para não manchar os dentes, não é verdade?) e da próxima vez eu tento um chopp!

Escrito por Alice às 09h36
[ ] [ ]

26/02/2008


Tá difícil...

View image detail View image detail View image detail

Descobri que a coisa mais difícil de se fazer na vida é dizer o que você sente, principalmente quando se tá afim de um homem casado, você é casada também e tem quase certeza que tá viajando na maionese porque o seu fusca não iria jamais carregar aquele Saaha arenoso! O analista? Desmarcou a consulta que seria depois da consulta com o Bruno, então eu já fui vê-lo sentindo-me totalmente desamparada.

É, já sabem né? Não falei coisa alguma, puxei um papinho a mais do que sou acostumada, ele deu corda...mas acho que é tagarela mesmo...porque não houve nada insinuante na conversa.

Aí então tentei o meu "bat-plantão" para convidá-lo para um café (acreditam que eu estava mesmo decidida?). Claro que antes eu fiquei questionando se era estratégicamente bomo tentar esse "encontro" no mesmo dia da consulta ou se seria melhor deixar uma "saudade", mas quem sou eu para saber de estratégias de sedução??? Então lá fui eu...passados os primeiros 30 minutos de espera meu coração e estômago não aguentavam mais a adrenalina e os pensamentos começaram a ficar paranóicos: "e se meu marido me procura no escritório?" e "se ele aparece por aqui", que tortura, e eu nem tinha um bom álibe para estar ali (a Maria Fernanda já me disse: "tenha sempre um bom álibe com provas documentais!!!"). Bati em disparada...

Ah, álibe para chegar tarde ao escritório? Parei no correio para postar um pacote para mamãe e pedi recibo, claro, e quem poderá me desacreditar se eu disser que tinha uma fila enooooorme! Então olhei no relógio...o marido já entrou no serviço, não poderá mais me ligar ou procurar por mim...será que o Bruno ainda está lá? Voltei, dá pra crer nessa loucura? E esperei mais uns quinze minutos...

Mas, ele apareceu na correria, falando no celular, só acenou rapidinho e entrou no carro antes que eu pudesse abrir a boca!

Lá vou eu esperar por mais uma oportunidade que só Deus sabe quando virá...haja coração!! E o retorno é só daqui um mês.

Escrito por Alice às 16h00
[ ] [ ]

Perfil



Meu perfil
BRASIL, Sudeste, Mulher, de 36 a 45 anos, Livros, Arte e cultura

Histórico